Serra Catarinense. Domingo, 23 de Fevereiro de 2020
Anuncie Classificados Correio Lageano
Instituto José Paschoal Baggio
Anuncie Essencial Correio Lageano
ÁREA DO ASSINANTE

Área de acesso restrito aos assinantes do Jornal Correio Lageano:



Esqueci minha senha

Central do Assinante Correio Lageano (49) 3251-8200
Correio Lageano

Redação: 49 3221 3344
redacao@correiolageano.com.br

Comercial: 49 3221 3322
comercial@correiolageano.com.br

Selecione abaixo a cidade desejada
:: São Joaquim
São Joaquim Não existem documentos que comprovem a data em que os primeiros povoadores se fixaram nas terras que hoje formam São Joaquim. É certo que nas primeiras décadas do século XVIII, mais precisamente em 1728, Francisco de Souza Faria abriu caminho para ligar a Serra ao litoral catarinense. A estrada foi denominada de “Estrada dos Conventos” ou “Estrada de Araranguá”. Era íngreme e por ela subiam homens e tropas de animais, que vinham do Rio Grande do Sul, descansavam nos campos de Lages e seguiam rumo a São Paulo.

Com a fundação de Lages, em 1766, por bandeirantes paulistas, alguns deles se estabeleceram nos campos adjacentes e ficaram nas terras de São Joaquim. É provável que esses primeiros moradores tenham sido gaúchos, de Santo Antônio da Patrulha e Viamão.

Os únicos documentos encontrados e que fazem referência ao povoado que se transformou em São Joaquim datam do período entre 1868 e 1869. Nessa época Lages já era uma localidade regularmente desenvolvida e um município que abrangia terras circunvizinhas, como as de São Joaquim, Urubici e Bom Retiro.

Só em 1873 o Distrito da Costa da Serra, fundado pelo bandeirante Manoel Joaquim Pinto de Arruda Filho, se tornou a freguesia de São Joaquim de Cruzeiros. Manoel era paulista. Nasceu por volta de 1808 ou 1809 e destacou-se politicamente nos anos de 1822 a 1824 em Piracicaba (SP). Para fundar São Joaquim, teve a colaboração de vários pioneiros da região. Em 31 de março de 1886 a então freguesia foi elevada a vila, surgindo assim o novo município. Em 16 de janeiro de 1887 realizava-se a primeira eleição a vereador, em 7 de maio de 1887 passou à denominação de São Joaquim, com a sua instalação oficial.

Como os demais municípios da Serra Catarinense, teve na extração da madeira, na agricultura e na pecuária toda a base de sua economia. Hoje em dia, aproveita o clima propício e desenvolve a fruticultura em larga escala. Diversifica seus produtos entre as plantações de uvas para vinhos, frutas de clima temperado e principalmente maçã, sendo uma dos maiores produtores do País. A terra do frio, hoje é um dos polos da Serra Catarinense, pelo desenvolvimento e progresso contínuo.
Fonte: www.saojoaquim.sc.gov.br


Pontos Turísticos



.: Belvedere: Escadaria com vista panorâmica da cidade e dos verdes campos que a circundam. Observar o cenário leva a imaginar como a região deve ter sido no passado. O local é aberto à visitação pública. Fica na Rua Major Jacinto Goulart, no Centro.

.: Cooperativa Sanjo: Foi fundada em 1993 por um grupo de 34 fruticultores do município. Hoje, reúne anualmente 78 cooperados, que produzem 34 mil toneladas de maçã a cada safra. Com um telefonema de 24 horas de antecedência é possível agendar visita às instalações da cooperativa e conhecer como funciona o processo de industrialização, desde o recebimento até o empacotamento das frutas. Na entrada da sede existe uma loja de conveniência onde o turista pode adquirir produtos. Na SC-438. (49) 3233 0012. www.sanjo.com.br.

.: Estação Experimental da Epagri: Localizada a dois quilômetros do Centro é uma estação experimental de fruticultura com modernos equipamentos de pesquisa para aprimorar o cultivo de frutas, especialmente maçã. Nela é possível conhecer a macieira matriz da espécie Fuji no Brasil e também os monumentos a Kenshi Ushirozawa, Pedro de Alcântara Ribeiro e Yoskio Yoshida.

.: Parque Nacional da Maçã: No local são realizadas feiras e leilões agropecuários e também a Festa Nacional da Maçã. Fica a dois quilômetros do Centro, na rua Urubici, s/nº, e tem 214 mil metros quadrados. O parque possui área para camping, cancha de laço, pavilhões de exposição e palco para shows.

.: Igreja Matriz São Joaquim: Feita totalmente de pedras basalto, retiradas dos morros próximos e levadas ao local em carros de boi. Foi construída a partir de 1918 e inaugurada em 1935. Na área externa do prédio ficam esculturas de profetas bíblicos e de Adão e Eva, obras dos artistas Elson Kiyotaka Outuki e Nelson Matias.

.: Mirante das Araucárias: Dele se avista um campo com araucárias de até 50 metros de altura. O lugar é ideal para piqueniques em família. Fica na SC-438, na saída de São Joaquim em direção a Lages, 200 metros após o portal de São Joaquim.

.: Monumento Manoel Joaquim Pinto: É uma escultura de madeira e pedras que conta a saga dos tropeiros que desbravaram São Joaquim. Foi idealizada pelo escultor Élson Outuki. Fica ao lado da prefeitura, no Centro do município.

.: Museu Histórico Municipal: No local está todo o acervo histórico do município. No museu também existe o espaço Assis Chateaubriand (Chatô), jornalista, empresário, político, advogado e professor, que entre o final de 1930 e início de 1960 foi dono dos Diários Associados, o maior conglomerado de mídia da América Latina, que em seu auge contou com mais de cem jornais, emissoras de rádio e TV, revistas e agência telegráfica.

Os visitantes também têm a opção de ver lá exposições temáticas de resgate da memória de São Joaquim, o museu ao ar livre, ciclo madeireiro, história dos colonizadores e do tropeirismo. O museu funciona das 9 às 11 horas e das 13 às 17 horas, de segunda a sábado. Fica na rua Major Jacinto Goulart, 168, no Centro. (49) 3233 2798.

.: Museu de Artes: Reúne um acervo de obras importantes, como as dos artistas catarinenses Martinho de Haro, Rodrigo de Haro, Tereza Martorano, Yolanda Bathke e Suzana Scóss Bianchini. Funciona de segunda a sexta-feira, das 13 às 17 horas. Fica na praça Cezário Amarante, s/nº, no Centro. (49) 3233 3549.

.: Biblioteca Pública Municipal: Tem mais de seis mil livros catalogados desde 1969. As opções de leitura vão de obras nacionais a catálogos e guias especializados. Fica na rua Manoel do Nascimento, s/nº, bairro Minuano. (49) 3233 3548.

.: Praça João Ribeiro: As famosas árvores que congelam em dias de temperaturas mais baixas ficam nesse local. Mais uma vez, a natureza é que oferece show aos visitantes. Além de ver de perto um bosque de gelo eles podem apreciar um conjunto de chafarizes sob o mesmo efeito. A noite, o local fica todo iluminado. A praça está localizada em frente à igreja matriz.

.: Snow Valley: Oferece desde hospedagem em cabanas e chalés alugados a alojamentos para grupos e camping. O estabelecimento serve café colonial diariamente, das 8 às 18 horas e atrativos como uma trilha ecológica de 1,8 KM que atravessa uma mata de xaxins nativos e centenários. Algumas das árvores atingem dez metros de altura e acredita-se que já estavam no local quando os portugueses chegaram ao Brasil, há 500 anos. Os visitantes que gostam de aventura ainda podem praticar a tirolesa, na descida por um cabo de aço de 350 metros de comprimento. O Snow Valley fica no KM 10 da SC-438.

.: Villa Francioni Vinhos e Vinhedos: Dispõe de visitação a vinhedos e à cantina, na companhia de um enólogo. Durante o passeio é possível degustar os vinhos produzidos na vinícola, mas as visitas precisam ser agendadas com pelo menos um dia de antecedência.

.: Cascata do Pirata: Para quem gosta de aventura a visita é compensadora. O caminho até a cascata é por uma estrada de chão batido de 6KM de extensão. No local não existe infraestrutura para os turistas, mas é possível chegar a uma pedra que fica bem no início da queda livre de 15 metros de altura.

.: Monumento Dr. Yoshio Yoshida: É uma homenagem ao pesquisador japonês que colaborou muito com as pesquisas para implantar as espécies de maçã Fuji, Sansa e Akane no município. Foi instalado em 1999 nas comemorações dos 3 anos de atividades da Estação Experimental de São Joaquim.

.: Exponeve: É uma exposição permanente de artesanato e produtos típicos da região. Funciona no Parque Nacional da Maçã e é mantida pela Associação de Artesãos de São Joaquim. Além de peças de roupas de lã de ovelha, objetos feitos de nó de pinho, geleias, licor de maçã e de outras frutas da região são comercializados no local. Antes de comprar o turista pode experimentar os produtos. O atendimento acontece diariamente, a partir das 09 horas. (49) 3233 2923


Como Chegar

Acesso rodoviário é pela SC-438, mais conhecida como Estrada da Serra do Rio do Rastro. A rodovia liga a BR-101 (na altura de Tubarão, distante 136km) à BR-116 (na altura de Lages, distante 81km). São Joaquim conta com um pequeno aeroporto municipal, que está sendo pavimentado.


Outras Informações:
• Site: www.serracatarinense.com/saojoaquim
• Casa do Turista: (49) 3233-2790

Características

Brasão São Joaquim

Brasão

Bandeira São Joaquim

Bandeira

Localização São Joaquim Como chegar? Clique aqui
  • Área 1.885,608 km²
  • População 24.929 hab.
  • Densidade 12,3 hab./km²
  • Altitude 1354 m
  • Clima temperado
  • Temperatura máx. 28°C
  • Temperatura mín. -7°C
  • Distância da capital 194 km
  • Festa típica Festa Nacional do Maçã