Serra Catarinense. Segunda-feira, 14 de Outubro de 2019
Anuncie Classificados Correio Lageano
Instituto José Paschoal Baggio
Anuncie Essencial Correio Lageano
ÁREA DO ASSINANTE

Área de acesso restrito aos assinantes do Jornal Correio Lageano:



Esqueci minha senha

Central do Assinante Correio Lageano (49) 3251-8200
Correio Lageano

Redação: 49 3221 3344
redacao@correiolageano.com.br

Comercial: 49 3221 3322
comercial@correiolageano.com.br

:: 23/11/2017 | Polícia

Homem é condenado por deixar vítima paraplégica

Homem é condenado por deixar vítima paraplégica

Texto:

Lages, 23/11/2017, Correio Lageano, por Patrícia Vieira

 

 

Nilson foi culpado pela tentativa de homicídio duplamente qualificada pela Lei de Feminicídio

 

 

Nilson Vieira Branco foi condenado a 12 anos 5 meses e dez dias de reclusão pela tentativa de homicídio de sua ex-companheira, Maria da Conceição Martins, sentenciou a juíza Ana Cristina de Oliveira Agustini, responsável pelo Tribunal do Júri da Comarca de Campo Belo do Sul. O júri popular ocorreu ontem. A decisão é passível de recurso.

 

 

O crime aconteceu em dezembro de 2016 quando Nilson invadiu a residência da vítima, armado, desligou o disjuntor da casa, deixando-a totalmente no escuro, e empurrou a vítima contra o chão desferindo um tiro nas suas costas. A mulher ficou hospitalizada por uma semana e perdeu os movimentos das pernas.

 

 

O acusado conviveu em união estável com a vítima por sete anos, porém, inconformado com o término do relacionamento, passou a ameaçá-la de morte, o que resultou na fixação de medidas protetivas da Lei Maria da Penha em favor da ex-companheira.

 

Segundo o promotor de Justiça Eliatar Silva Junior, que atuou no Tribunal do Júri, o modus operandi do acusado assemelha-se muito com o famoso caso de Maria da Penha Maia Fernandes, que ficou paraplégica depois de levar um tiro do marido, caso que deu origem à Lei n. 11.340/2006 (Lei Maria da Penha).

 

 

Os termos da denúncia do Ministério Público de Santa Catarina (MP-SC), representado na sessão do Tribunal do Júri pelo promotor de Justiça Eliatar Silva Junior, foram acatados pelo corpo de jurados, que julgou o réu culpado pela tentativa de homicídio duplamente qualificada em função da Lei de Feminicídio - em virtude da condição do sexo feminino da vítima envolvendo violência doméstica - e por ter sido praticado mediante o uso de recurso que dificultou a defesa de Maria da Conceição.

 

 

Foto: Rodrigo Antunes/ Divulgação

    Assine o CL Online

    Comentários

    Para comentar esta notícia entre com seu e-mail e senha de assinante. Caso não seja assinante, clique aqui. | Esqueci minha senha >>

    • (*) Campos obrigatórios.

    Últimos Comentários